como-fazer-um-plano-de-marketing-digital

Por que e como pequenas empresas devem começar a investir em marketing digital

Uma pesquisa realizada no Brasil com micro, pequenos e médios empresas (PMEs) pela Guia Mais mostrou que apenas 7% dos empreendimentos com estes perfis anunciam na web e que 22% possui deles cria um site próprio.

 Com os números do levantamento, podemos perceber que os pequenos empreendedores brasileiros ainda não investem no marketing digital para divulgar suas marcas ou vender seus produtos e serviços – uma tendência forte em outros países, e que vem trazendo bons retornos tanto econômicos quanto de engajamento dos consumidores às novas marcas e/ou prestadores de serviço.

“Infelizmente ainda é muito difícil convencer os pequenos empresários a investirem em canais digitais, principalmente os mais velhos. Acredito que isso acontece porque muitos ainda pensam que isso é uma estratégia voltada apenas para grandes empresas. Por fim, existe a questão financeira, já que as PMEs estão focadas na operação, sem ter muitos recursos para investirem na divulgação”, aponta o Johnny Lima.

Para o especialista em marketing para Pequenas e Médias Empresas e co-founder da plataforma online leadlovers, Diego Carmona, o desconhecimento sobre o grande potencial que existe no investimento em ferramentas online também explica os números baixos de aderência no País. O especialista afirmou ao Brasil Econômico que ainda existe um ciclo arcaico que impede o crescimento das PMEs na web.

“Muitos empreendedores pequenos não têm recursos para investir em um setor de marketing completo e não têm paciência ou disponibilidade de tempo para aprender como realizar uma estratégia eficiente para utilizá-la em seu negócio”, completa.

Exigência do mercado

Se você é ou pensa em abrir um micro, pequeno ou médio negócio, a recomendação é: saiba investir em ferramentas online – que muitas vezes podem ser bem baratas ou mesmo gratuitas.  Afinal, segundo as palavras de Lucas Burza, “atualmente não ser encontrado online é como não existir”.

Desse modo, após gastar energia para ativar o negócio e garantir que o novo empreendimento ultrapasse os desafios do mercado, é preciso investir na expansão. Nesse período, é essencial contar com a presença digital, entendendo a necessidade de exposição aos potenciais clientes.

“De certa forma, o mercado cobra isso dos pequenos empreendedores. Se se fala que a marca não tem um site, existirá um estranhamento. Muitos consumidores hoje perguntam, por exemplo: ‘como eu posso achar vocês sem ser na loja física?”, destaca o especialista.

Quebrando barreiras físicas

Uma grande vantagem de se investir em canais digitais – seja em sites ou nas mídias sociais – é conseguir o tráfego de potenciais clientes, ultrapassando as limitações geográficas. Afinal, a probabilidade de vender para mais pessoas só é possível se você for acessível para um número maior delas. “Quebrar a barreira do físico e ter em mente que qualquer pessoa em qualquer lugar pode ser seu cliente faz com que seu negócio escale”, garante Burza.

A especialista em internet marketing, autora do livro Facebook Marketing, Camila Porto, explica que as PMEs devem pensar as mídias sociais como formas de impactar mais pessoas e suas redes de conexões através do compartilhamento e dos likes. “Uma maneira que ajuda muito a propagar a marca e, consequentemente, vender produtos e serviços. O público-alvo interage comentando, recomendando e se relacionando com a marca nessas páginas de maneira muito objetiva”, destaca.

Dessa maneira, as redes sociais podem ajudar a pequena empresa a se tornar mais próxima do consumidor, divulgando promoções, produtos e novidades. Além disso, o site pode ser usado para trazer informações institucionais e disponibilizar um campo para e-commerce, o que possibilita a compra de produtos ou a contratação de serviços para consumidores de qualquer local do País.

Aliás, a “democracia” das mídias sociais deveria ser uma das principais motivações dos micro, pequenos e médios negócios – já que, mesmo não contando com grandes recursos financeiros, é possível atingir o mesmo número (ou mais) de pessoas que as grandes corporações. A questão, aqui, é saber utilizar dessas ferramentas para alcançar seus consumidores.

Como, então, fazer isso?

Bem, não existe uma “receita de bolo” para o sucesso de empreendimentos na web. Independente do setor que a empresa atue, micro, pequenos ou médios empresários vão precisar estudar bastante sobre o ambiente online, descobrindo as oportunidades possíveis no universo digital, traçando estratégias com metas e objetivos e, por fim, acreditando no potencial do marketing digital.

A fim de ajudar as PMEs que desejam investir no marketing online, o Brasil Econômico reuniu dicas dos especialistas consultados. As regras são bastante democráticas e servem até mesmo para os empresários que não possuem recursos financeiros para investir em algo mais “grandioso” nesse momento.

Dicas para fazer marketing na internet

Segmentação do público-alvo

O mais importante para quem vai começar é saber exatamente quem é o público-alvo e saber como ele se comporta nas redes sociais e nos sites. Esse conhecimento virá através de estudos e análises contínuas, além de entender como trabalhar com táticas e ferramentas digitais. Assim, o primeiro passo para qualquer empreendimento – dentro e fora do mundo digital – é entender quem é seu consumidor. E quem são seus clientes online: o que gostam? O que pesquisam? Como pesquisam? O que acessam? Quando acessam? Como sua empresa pode se diferenciar e se destacar em relação aos seus concorrentes?

Lembre-se sempre de que, para ter um bom resultado no mundo digital, é imprescindível conhecer o seu consumidor. Apenas depois disso, você poderá utilizar canais como as ferramentas de anúncios disponibilizadas por grandes empresas como Google, Microsoft e Facebook, por exemplo, que potencializam a visualização de sua empresa por clientes de maneira segmentada pelo perfil escolhido para cada produto.

Se tiver oportunidade, vale contratar uma agência de Marketing Digital para melhor uso dessas ferramentas.

Pesquisa dos canais

Para começar a investir em canais digitais, é muito importante que o empreendedor faça uma pesquisa profunda sobre o tema: buscando saber quais são as ferramentas disponíveis, quais são utilizadas por seu público-alvo, como utilizá-las de forma otimizada etc. Por exemplo, estude redes sociais que possam trazer algum retorno para sua empresa, seja financeiro ou de tráfego. Crie um perfil e, a partir daí, explore as possibilidades.

Vale pesquisar os canais dos seus concorrentes (que você deve conhecer de ‘cabo a rabo’). Veja o que eles fazem de positivo ou o que você acha que pode ser melhorado (e como).

Sem medo de testar

Não tenha medo de investir: faça testes com baixos valores e vá aumentando à medida que os resultados apareçam. Uma boa ideia é pagar alguns anúncios (no Facebook, por exemplo) e perceber os resultados.

Hoje existem vários treinamentos que ensinam os empreendedores a gerir suas próprias redes. Isso é o que o meu negócio faz hoje: capacitar empreendedores a gerir suas páginas no Facebook e Instagram, por exemplo.

Algumas ferramentas gratuitas

Fanpage no Facebook (https://www.facebook.com/pages/create/): para criar e manter é grátis e o próprio empreendedor pode fazer a nutrição do conteúdo.

Blog: o blog ajuda no SEO (sistema de busca orgânica do Google e outros navegadores). Com isso, consequentemente, haverá o aumento no tráfego de visitantes, estreitando o relacionamento e permitindo uma interação com os clientes.

A ferramenta é interessante, pois quando uma marca disponibiliza informação e conteúdo de qualidade, recebe o reconhecimento de potenciais clientes – que vão se engajar e repercutir a imagem da sua marca de maneira muito positiva.

Novamente, isso pode ser o diferencial entre você e seu concorrente. Como dica para quem não sabe que tipo de pauta escrever, pense nas principais questões dos seus clientes: isso já vai te entregar um volume interessante de artigos para ser publicados.

+ Emprego cresce no varejo e setor vê melhorias para as vendas de Natal

Site ou e-commerce: para esses dois casos, existem plataformas gratuitas que permitem criar tanto um site quando um e-commerce de forma rápida, segura e sem conhecimento profundo em programação. No caso de e-commerce uma excelente solução é a Loja integrada que tem plano totalmente grátis (https://lojaintegrada.com.br/planos/).

Google Meu Negócio: o Google Meu Negócio (http://www.google.com.br/business/) permite conectar seu site com seus clientes, para quem estiver procurando seu negócio na Pesquisa do Google, no Google Maps ou no Google+

Paciência

Por fim, mas não menos importante: tenha paciência. Não ache que retorno será a curto prazo e de que não será necessário dedicação para fazer o marketing. Pelo contrário, será necessário ter alguém dedicada à realização de todo o processo para a otimização constante da sua estratégia de marketing digital.

Quer contratar o serviço de consultoria em Marketing Digital para sua empresa?

Entre em contato e conversaremos sobre como a internet poderá ajudar o seu negócio.

luis@logospublicidade.cominvestir em marketing digital

 

Fonte: Economia – iG @ http://economia.ig.com.br/2016-10-26/marketing-digital.html

Avaliar Postagem

One comment

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *